Carta 3

Posted Dezembro 12, 2021

Ubá, 29 de junho de 2021

Meu querido Pe. Gailhac,

À medida que vou avançando cronologicamente na VIDA, mais e mais aprecio uma frase sua, que não me sai do pensamento… e que se torna cada vez mais viva no meu coração. Um dia, muito inspirado, você disse que “as coisas de Deus não envelhecem”…

No meu coração, querido Pe. Gailhac, esta sua afirmativa teve força de verdadeira profecia! E ela me ajuda a ir fazendo do meu coração O LUGAR DE TESOUROS… que já não me pertencem fisicamente… já se foram… mas sua presença vai fazendo do meu coração um VERDADEIRO SANTUÁRIO!

Sem menosprezar os outros entes queridos – e que graças a Deus são muitos! – hoje o meu coração tem o foco em você! E é sobre esta minha experiência filial que eu desejo lhe falar.

Muitas vezes na vida, recorri a esta nossa intimidade para encontrar a LUZ de que precisava, a presença amorosa que me encantava e inspirava! o “empurrão” carinhoso que me apontava o passo à frente necessário! ou a superação de um câncer, que só me fez apreciar ainda mais a saúde, a VIDA!

E uma destas experiências com você, querido Pe. Gailhac, foi a dura experiência de acompanhar o meu irmão, Mário, em sua fase final de um câncer na garganta, que finalmente o “roubou” de nós… Este irmão querido tinha desde pequeno a fibra de um líder e as qualidades naturais de um chefe – quer no ambiente familiar, quer no desempenho profissional, ou na roda de amigos. Acometido pela doença, Mário fez a experiência de limite, da fragilidade, da impotência – tudo isso novidades para ele, sem ter se treinado ao longo da vida. No meu coração de irmã, tinha receio disto ser superior às FORÇAS para as quais Mário não havia sido treinado… e foi aí que eu recorri a você, como um Pai amoroso, em quem eu podia pôr toda a minha confiança filial.

E, sabe? Pe. Gailhac, não só a do Mário, mas também cresceu a minha confiança em você! Experimentei, através da transformação do Mário, a sua força, que se manifestava num dos seus traços mais encantadores para mim: a sua Humildade e Confiança em Deus! e esta foi a transformação operada no Mário, humilde e confiante… como mesmo uma NOVA CRIATURA! Ao me ver chegar, todas as tardes, à sua casa, já me acolhia bem humorado dizendo: Vamos rezar, Rosinha, a oração ao Pe. Gailhac. E foi naquela simplicidades, sem alardes, que Deus foi se manifestando Paz, Serenidade, Docilidade naquele meu irmão, comandante, forte, insuperável…

Com voz decidida, já me acolhia em seu quarto dizendo: “Rosinha, vamos rezar a oração ao Pe.Gailhac”. 

E então, cada tarde, pedíamos com toda confiança em Deus a cura do Mário, pela sua intercessão junto de Deus por ele!

Posso lhe dizer, querido Pe.Gailhac, que vi meu irmão morrer CURADO! SERENO… percorrendo HUMANAMENTE o caminho rumo à Casa do Pai, COMO UM FILHO! sem queixas, nem revolta.

E, antes de lhe fazer estas “confidências”, recorri ao livro Uma Vida Para Todos, de autoria da nossa saudosa Ir. Margarida Maria Gonçalves, para me avivar à memória o final da sua própria vida, Pe. Gailhac. 

Que maravilha esta sua última lição de VIDA para todas nós! Imagino como esta sua atitude diante da diminuição foi mesmo um consolo para as Irmãs que tiveram a graça de o acompanhar neste seu final de percurso…deixando-se mudar para um quarto na residência da Comunidade na Casa Mãe… deixando-se cuidar com docilidade e simplicidade… deixando-lhes e a todas nós este legado final como testamento:

“Agora, já só espero o céu. Amem a Deus… É a única coisa que as 

acompanhará na hora derradeira. Façam tudo por amor e nada 

lhes será penoso”.

Com toda afeição filial,

Rosinha, RSCM

Carta 14

Maio 25, 2022

Marchiennes, Fevereiro de 2022 Querido Padre Gailhac, Nunca tinhamos pensado em escrever-vos,  pois estamos habituadas a ler-vos, a recordar os…

Veja Mais

Carta 13

Maio 13, 2022

Coimbra   Maio 2022 Querido Padre Jean Gailhac Em 1890 concluiu a sua viagem pela vida terrena, gozando agora a…

Veja Mais