Reflexão do Domingo de Páscoa

Posted Abril 3, 2021

Por irmã Veronica Brand, RSHM

Nestas primeiras semanas de primavera no Hemisfério Norte, árvores nuas e folhas caídas estão sendo interrompidas pelos primeiros brotos de verde, os primeiros crocodilos e narcisos quebrando solo duro.  A vida é resiliente, mesmo nas duras condições do inverno marcado por eventos climáticos extremos.  Os brotos estão aparecendo, pequenos brotos estão saindo do verde. A nova vida é evidenciada na criação ao nosso redor, e dentro de nós. O que parecia ser desesperançoso está transbordando de nova vida.

Hoje celebramos a Ressurreição de Jesus – um evento que desafia a lógica e desafia nossa imaginação ao mesmo tempo em que nos oferece esperança de tudo o que será transformado. A vida nova acontece no estouro da vida que brota da morte.   Ao vencer a morte, Jesus abre o caminho.  Como nos lembra o Papa Francisco “é a própria Ressurreição que nos abre para uma esperança maior, pois abre nossa vida e a vida do mundo ao futuro eterno de Deus, à plena felicidade, à certeza de que o mal, o pecado e a morte podem ser superados”.

Depois deste doloroso ano de Quaresma da COVID, há dor e medo, perda e pesar. Tantas pessoas em nosso mundo estão sofrendo, com vidas e meios de subsistência arruinados.  Podemos nos identificar facilmente com os discípulos de Jesus no caminho de Emaús enquanto experimentamos o “que esperávamos” da decepção. Esperávamos que a pandemia já tivesse terminado, que as coisas tivessem voltado ao normal. Mas, ao invés disso, somos chamados a ser profetas de esperança.

Quem pode ser melhor nosso guia do que Maria de Magdala?  Junto com as outras mulheres, ela ousou visitar o túmulo quando ainda estava escuro. Foi ela quem ficou e foi ela quem ousou correr e contar aos discípulos masculinos o que tinha visto, mesmo não conseguindo entender seu significado. Através de suas lágrimas, ela encontrou o Jesus ressuscitado que a chamou pelo nome.  Como primeira apóstola da Ressurreição, Maria de Magdala nos desafia a não ter medo de ir ao túmulo, mesmo para “ficar” lá em nosso incógnito, mas para ir e contar a Boa Nova.   Onde estamos sendo chamados a estar presentes hoje no vazio, proclamando presença?

O poder da ressurreição está dentro de nós, a promessa de um mundo melhor, a aurora da esperança. Como escreveu o poeta jesuíta Gerard Manley Hopkins: “Que ele se torne um páscoa em nós, seja um dia de primavera para a nossa penumbra…”.    Nesta escuridão pré-morte, Maria Madalena permanece como um ícone de busca cheia de esperança, enraizada no amor e expressa em paixão e compaixão.    Nós também somos chamadas a ser “mulheres de paixão e compaixão, impelidas a sair para anunciar a Boa Nova” (Gen Capítulo 2019) de que a vida vence a morte.

____________

[1] http://www.vatican.va/content/francesco/en/audiences/2013/documents/papa-francesco_20130403_udienza-generale.html

https://www.poetryfoundation.org/poems/44403/the-wreck-of-the-deutschland

 

Artigo em francês:

Réflexion du dimanche de Pâques

A RESSURREIÇÃO

Abril 9, 2021

GRUPO HERANÇA E ESPIRITUALIDADE Beatrice Magaya, RSHM A ressurreição tem tudo a ver com Deus nos mostrando o significado do…

Veja Mais