Conhecendo nossas Irmãs!

Posted Novembro 2, 2021

Sabemos por experiência quão verdadeira é esta metáfora do P. Gailhac ao referir-se à nossa formação como RSCM e, de um modo particular, à formação dos membros mais jovens do nosso Instituto. Esta é a razão pela qual as Irmãs de Votos Temporários irão iniciar, em breve, uma experiência significativa de nossas Fontes, de aprofundamento em si mesmas do espírito, carisma e missão de nosso Instituto. O programa de formação, na sua globalidade, decorrerá entre Dezembro de 2021 e inícios de 2023, incluindo a realização de um encontro presencial em Béziers, de 28 de Dezembro de 2022 a 13 de Janeiro de 2023.

Convidamos você a conhecer as Irmãs participantes neste programa de formação e a ter cada uma delas presente na sua oração!

Aida Ganizane Fombe
Área de Moçambique
Primeira Profissão: 25 Janeiro 2020, em Belo Horizonte

Para mim, ser Religiosa do Sagrado Coração de Maria é ter presente um encontro pessoal com Jesus Cristo vivo na sua Igreja, isto é, na Eucaristia, na Palavra de Deus, na oração pessoal e comunitária, tendo Maria como nosso modelo. Ela recebeu este dom de missão e partilhou-o com cada um de nós. É também o nosso chamamento e dom de Deus. Temos de viver e aceitar o convite da Igreja a sermos missionárias no mundo inteiro.

Sou de nacionalidade moçambicana, atualmente missionária na Zâmbia, concretamente na comunidade de Chivuna. Portanto, é nesta comunidade que faço a minha experiência de missão, desde que eu fui enviada no dia 25 de Janeiro de 2020, depois do meu Noviciado e da minha Primeira Profissão Religiosa no Brasil-Belo Horizonte. Duma forma geral, vivo a Missão colaborando no posto de saúde, partilhando a vida da seguinte forma: faço as visitas regulares às casas dos pacientes, assim como no hospital; e dou o meu tempo para escutar a todos, para se sentirem amados e não excluídos, quando partilham as suas histórias. Faço este trabalho com muita vontade e carinho, visto que o nosso carisma tem a missão de promover a vida, a dignidade aos pobres excluídos e marginalizados de todo mundo.

Há que lamentar a questão política, social e ambiental, visto que vivemos num tempo em que a pandemia está a roubar vidas e as oportunidades de emprego, que constituem a base de sustento. Portanto, é uma crise geral que está provocando a escassez de alimentos, água, falta de emprego, fraca educação, até mesmo escassez medicamentosa. E como resultado, muitos Zambianos vivem numa extrema pobreza, porque há muita discriminação e violência. Assim sendo, a taxa de desenvolvimento do próprio país, a questão económica, as infraestruturas e outros elementos ou serviços, têm sido muito baixos. E nós, como Religiosas do Sagrado Coração de Maria, apesar das dificuldades que apoquentam o país, procuramos corresponder naquilo que nos é possível. De facto, as dificuldades são maiores; porém, com o auxílio de Deus damos o nosso máximo.

No meu tempo livre, tenho a oportunidade de assistir a filmes, escutar músicas, fazer exercícios físicos, cuidar das plantas e visitar amigos/as.

A minha esperança para o futuro: gostaria de ver muitas irmãs contemporâneas continuarem a missão do nosso fundador, sob a proteção de Maria Nossa Mãe, para que sejamos no mundo sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador, Aquele que brilhou na Páscoa, e descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e riquíssima no amor.

Lesley Amandah Mukonyora
Área Zambeze
Primeira Profissão: Belo Horizonte, Brasil, 2021.

Atualmente, estou envolvida na pastoral dos enfermos, dos idosos que estão em casa. O ministério oferece alimento espiritual, quando levo a Sagrada Comunhão às pessoas e lhes asseguro as orações constantes da comunidade da igreja. Este ministério também tem seu significado na missão do Instituto, pois traz alegria e vida às pessoas que não podem ir à missa por motivo de doença ou confinamento.

Para mim, ser RSCM é participar da missão vivificante de Jesus Cristo, guiada pelo espírito de fé e zelo, respondendo às necessidades do tempo e me colocando ao serviço dos mais necessitados.

Uma questão atual que me desafia é a da desigualdade social, tão vivida na estrutura social de um país multicultural como o meu, com identidades sociais diferentes formadas por normas culturais variadas e muitos outros elementos. Desigualdade social em termos da falta de igualdade de acesso às oportunidades. Desigualdade que ocorre quando fatores como género, deficiência, raça, religião, etnia, classe e idade podem afetar a forma como uma pessoa é tratada. As minhas maiores preocupações são as barreiras à educação qualitativa para as crianças, mas principalmente para as meninas, tornando-as vulneráveis ​​a casamentos precoces e muitos outros elementos. A outra preocupação é a má gestão de recursos, levando à falta de disponibilidade de cuidados de saúde para todos.

Durante o meu tempo livre, gosto de fazer trabalhos manuais usando têxteis (fazendo ponto cruz, crochê e tricô), panificação, socialização, desporto coletivo como netball e ténis, leitura e pesquisa etc.

A minha esperança para o Instituto é que haja mais membros novos, a fim de continuarmos a missão de Cristo e que, como RSCM, permaneçamos unidas na nossa diversidade.

Mary Lungu
Área Zambeze
Primeira Profissão: 2017, no Brasil.

SER RSCM ajuda-me a crescer na fé e no amor de Nosso Senhor Jesus Cristo, ao seguir os passos de Maria, a primeira discípula do seu Filho.

MINISTÉRIO ATUAL: Estudante

QUESTÕES CORRENTES A QUE SOU SENSÍVEL: política, pois todos sabemos que nós, enquanto zambianos, nos preparamos para ter eleições gerais em Agosto, pelo que muito tem acontecido; os líderes dos partidos oposicionistas a fazer campanha, bem como o partido no poder.

Os homens e mulheres religiosos têm participado na proclamação da paz a todas as nações durante as eleições, e também falam sobre a criação de um ambiente onde a paz e o amor sejam praticados.

Como povo da Zâmbia, devemos continuar a desfrutar da nossa liberdade de UMA ZÂMBIA, UMA NAÇÃO.

Muitos são os DESAFIOS enfrentados por homens e mulheres religiosos: não se pode dizer nada sobre política; dizem que as pessoas religiosas são chamadas a pregar a palavra de Deus e não a entrar em questões políticas, o que é verdade. Mas também podemos dizer algo a respeito do nosso governo.

O QUE GOSTO DE FAZER DURANTE O MEU TEMPO LIVRE: fazer trabalhos escolares, por exemplo, a preparar alguns materiais didáticos e planeamento de aulas para a aula seguinte. Como mencionei anteriormente, sou estudante e em prática de ensino na ESCOLA ESPECIAL DE SÃO MULUMBA EM CHOMA… Por isso, passo a maior parte do tempo a fazer isso e às quartas-feiras ajudo a ensinar a identidade católica aos rapazes em MUKASA.

ESPERANÇA E SONHO: nós, como Instituto, podermos continuar unidas como o P. Gailhac pregou.

Daniela de Jesus Santos
Área Brasil
Primeira Profissão: 2020 – Belo Horizonte-MG

Para mim, ser RSCM…” É ter a vida centrada em Jesus Cristo, ter Maria como modelo e ser capaz de gerar vida em todos os lugares em que eu estiver.

Atualmente, estou colaborando como Educadora em um dos nossos Projetos Sociais e como Assistente de Pastoral em um dos Colégios SCM. Procuro anunciar Jesus nesses ambientes, gerando vida nova para as crianças, adolescentes e seus familiares e busco despertar a consciência crítica para seus valores pessoais, ajudando-lhes a compreender seu papel como membros ativos da sociedade.

O que me interpela é acrise política, principalmente no Brasil. Essa situação caótica que vivemos tem afetado a todos, de forma geral, em todos os sentidos e isso tem se agravado nesse tempo de pandemia.

Gosto muito de ler, escutar músicas, tocar instrumentos musicais (violão e flauta); também gosto de confeccionar artesanatos: no geral pinturas, bordados, cartões, etc…, além de me comunicar com os meus amigos e de refletir com pessoas que me ajudam na caminhada.

Meu sonho é que possamos, como Instituto, continuar aprofundando e crescendo no amor pela pessoa de Jesus Cristo e pelo seu projeto e que compreendamos, em nossos corações, que todas somos responsáveis pela animação vocacional. E desejo que continuemos confiando na ação do Espírito Santo, que despertará mais pessoas para se juntarem a nós e darmos continuidade à Missão de Jesus que assumimos como Instituto.

Elizabeth Miti
Área Zambeze
Primeira profissão: 23 de Janeiro de 2021 em Belo Horizonte, Brasil.

Para mim, ser RSCM enche-me de alegria e dá-me uma sensação de realização, porque o meu desejo de servir a Deus como religiosa está, gradualmente, a concretizar-se.

Atualmente, sirvo no Umoyo Day Centre (um lugar onde as crianças que não têm o privilégio de ir para a pré-escola vão em preparação para a 1ª série). Este ministério tem um significado muito grande na missão do Instituto porque ajuda as crianças a terem raízes firmes e o sentimento de serem cuidadas e amadas.

A questão que me desafia é social, porque parece haver pessoas pobres na nossa sociedade que estão sempre precisando de ajuda e isso, geralmente, faz-me pensar em como podemos ajudar essas pessoas.

No meu tempo livre, gosto de experimentar coisas novas. Os meus dons artísticos são escrever, cantar e fazer arte a partir de alguns materiais.

O meu sonho para o Instituto é que haja sempre membros cheios de fé e zelo para continuar a missão de Cristo.

Rosita Eugénio
Área de Moçambique
Primeira profissão: 26 de Janeiro de 2019 na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Brasil.

Para mim ser RSCM é ser mulher que centraliza a sua vida em Jesus Cristo, que procura viver e seguir as virtudes que Maria ensina, de dinamismo Apostólico e que sabe viver segundo os sinais do tempo.

Atualmente faço parte dos projetos a nível da Área de Moçambique, trabalho com os jovens da Paróquia e sou Catequista. Esses ministérios têm um significado importante no Instituto. A partir desses encontros sinto-me perto do povo de Deus a dar vida, a Evangelizar e a tornar Deus conhecido e amado.

A questão atual que me interpela é o desafio de doenças (Covid-19, a nível mundial), ataques – em Moçambique. No meio desses desafios é difícil realizar a Missão – Igrejas fechadas e sem encontros.

Nos tempos livres gosto de fazer leituras, arte, acompanhadas com músicas (mantras) e fazer exercícios.

Meu sonho é ver sempre a entrada de novos membros no nosso Instituto e com a esperança de ver todas as Irmãs a viver a unidade na diversidade; todas elas formadas em todas as áreas e níveis.

Celine Bitega
Área Zambeze
Primeira Profissão: 21 de Janeiro 2021, em Belo Horizonte, Brasil

Para mim, ser RSCM enche-me de tanta alegria e vida, por conhecer e amar a Deus e torná-lo conhecido e amado. Estou atualmente a estudar no meu 3º ano na universidade. O meu ministério é estar entre os meus colegas, ajudando especialmente os estudantes católicos com o catecismo. Quando estou em casa, na minha comunidade, também estou envolvida na promoção vocacional. Os desafios socioeconómicos enfrentados por muitas pessoas à nossa volta e o fosso crescente entre os que têm e os que não têm é a questão que atualmente me desafia. No meu tempo livre gosto de ler, coser, fazer croché e experimentar coisas novas. O meu sonho para o Instituto é que tenha mais Irmãs cheias de fé e zelo e que continuemos a dar vida aos outros. Obrigada.

 

Fernanda Marques de Oliveira
Área Brasil
Primeira Profissão: janeiro de 2016 – Belo Horizonte – Brasil

Para mim, ser RSCM é buscar sempre, com fidelidade, corresponder ao chamado de Deus em minha vida; crescer constantemente no conhecimento da pessoa de Jesus e em disposição para estar onde a vida estiver ameaçada.

Ministério: Atualmente trabalho em nosso Centro Provincial como Auxiliar de Projetos Sociais com o setor REAJE (Rede de Ação Junto aos Excluídos) – setor este que articula o trabalho da política de Assistência Social da Área Brasil. São diversas Unidades socioassistenciais que atendem crianças, jovens, mulheres, população em situação de rua e idosos em situação de vulnerabilidade social.

Questão atual: O mundo ainda está mergulhado nesta situação de pandemia. Graças a Deus, alguns países vêm superando este tempo de escuridão e dor. No Brasil, o coronavírus é uma grande preocupação e, somado ao descaso do Governo atual, é muito difícil ver em caos a saúde, a educação, o meio ambiente, a economia, etc, e o povo sofrendo – de modo particular, as pessoas mais empobrecidas.

Tempo livre: Gosto de passar tempo no jardim mexendo a terra e cuidando das plantas, gosto de ver filme, ouvir música, fazer bordados e algumas outras coisas.

Esperança-Sonho: Para mim, é muito importante continuarmos crescendo em unidade entre todas as Áreas, independente de língua, idade ou país. E assim, mulheres apaixonadas por Jesus e como um corpo para a missão, possamos fazer Deus conhecido e amado para que todos tenham Vida.

Izaura Paulino Invarua
Área de Moçambique
Primeira Profissão: 23 de janeiro de 2016 em Belo Horizonte- Brasil

Para mim, ser RSCM é buscar sempre com fidelidade corresponder livremente ao chamado que Deus faz cada dia na minha vida, procurar crescer no conhecimento pessoal e de Jesus Cristo, deixar-me transformar por Ele.

A minha vida como RSCM carateriza-se pela simplicidade, amor de umas pelas outras vivendo em comunidade, dando a conhecer a Deus e faze-Lo amado, assumindo este compromisso da nossa missão, com muita fé e zelo.

Sinto-me muito feliz por fazer parte desta família religiosa do Sagrado Coração de Maria que tem lutado para levar aos outros a Palavra de Deus, e a procurar ser outro Jesus Cristo que deu a sua Vida pelos outros. É isto que me motiva no dia a dia: ser mulher consagrada geradora de vida, uma vez que tantos precisam de vida e dignidade.

Ministério – atualmente encontro-me em Moçambique, onde tenho colaborado nas atividades da comunidade, na pastoral da catequese na paróquia, e continuo com os estudos profissionais. Neste momento estou a fazer o curso de enfermagem geral e estagiando ao mesmo tempo, ora nos centros de saúde, ora no hospital central aprendendo e cuidando dos doentes que tanto precisam de apoio.

Questão atual – preocupa-me bastante, nestes últimos anos, a situação mundial em que nos encontramos devido à pandemia covid-19 que se alastrou no mundo, deixando todos num desgaste físico, emocional, psicológico, assim como espiritual. Só a fé em Deus é que nos pode salvar desta situação, mantendo firme a esperança.

Tempo livre – no meu tempo livre tenho aproveitado bastante para costurar, fazer jardinagem e ir à machamba mexer a mãe terra; e recreio – diversão dentro da comunidade, conversar com as pessoas que de quem tenho saudades. A leitura pessoal está também sempre presente.

Esperanças e sonhos – tenho esperança de que um dia a minha congregação vai aumentar em número de membros para continuar a testemunhar e a dar a vida aos outros como o nosso fundador Padre Jean Gailhac sempre sonhou. Espero também que continuemos a ser cooperadoras na missão como foi Maria, mulher de fé e cheia de esperança, que cooperou na obra da redenção, dando um “sim” a Deus. Sonho viver sempre em união com todas Irmãs do Instituto, como Corpo para Missão, para conhecer a Deus e torná-lo conhecido , amar e faze-Lo amado e proclamar que Jesus Cristo veio para que todos tenham vida e vida em abundancia ( Jo,10,10).

 

Aelita Otavia Da Silva
Área a que pertence atualmente: Zambeze
Primeira Profissão : 2017, Brasil

Para mim ser RSCM é ser irmã para todos (as). Atual ministério: estudante (diploma de ensino primário), ajudo na capela da escola, aconselhamento e direção spiritual para alguns estudantes, para que todos tenham vida.

A questão atual que me interpela é a situação social em torno do mundo onde coisas são mais importantes que pessoas; coisas básicas como alimento, educação, saúde são corrompidos.

No meu tempo livre eu gosto de: cozinhar, assistir filmes baseados em fatos reais, ler, conversar com minhas irmãs, trabalhar no jardim, nadar e ouvir música.

Minha esperança para o Instituto é que tenhamos mais irmãs para todas as Áreas, apaixonadas por Jesus e por nossa missão, abertas para o que nosso chamado nos chama a ser.

 

 

Luísa Bernardo
Área de Moçambique
Primeira Profissão: 21 de Janeiro de 2017, no Brasil.

Para mim ser Religiosa do Sagrado Coração de Maria é ser mulher de oração, acolhedora, mulher de fé que tudo crê em Deus e confia na providência divina, mulher humilde, de coragem, que sabe viver segundo os sinais do tempo, mulher que tem sentido de pertença ao Instituto, mulher que tem dinamismo apostólico, mulher misericordiosa, e que sabe amar.

O meu atual ministério é: colaboro na área de comunicação a nível da Área de Moçambique, sou catequista e pertenço ao grupo da comissão de catequese e colaboro na adolescência de Infância Missionaria na Paróquia Nossa Senhora de Esperança – Maputo. O significado destes ministérios na missão do Instituto é conhecer a Deus e torná-lo conhecido amar a Deus e faze-lo amado proclamar que Jesus Cristo veio para que todos tenham vida e vida em abundância. Este é o meu foco de evangelização.

A questão atual que me interpela é: a religião e a Igreja no mundo de hoje. Especialmente no meu país a fé dos fiéis está abalada com a chegada da pandemia da Covid-19. A situação piorou: três meses sem missas, somente escutando via radio, sem pastoral presencial, sem catequese presencial, muita solidão, doentes sem visitas, os velhinhos num isolamento total. Tudo foi desespero para o povo e um desafio para mim; ao mesmo tempo, um tempo da busca da fé e confiança em Deus.

No meu tempo livre gosto de fazer bordados de vagonite, cuidar da horta, assistir a vídeos dos Santos e das Santas.

A minha esperança é ver o Instituto progredir cada vez mais com muitas Irmãs.  E o meu sonho é de olhar o futuro do Instituto com fé e esperança, que um dia poderá expandir para todas partes do mundo e continentes e o nosso fundador ser reconhecido e proclamado como um Santo a nível da Igreja Católica Apostólica Romana.

 

Previladge Rutendo Gunyere
Área Zambeze
Primeira Profissão: no Brasil, em 2020

Para mim, ser RSCM é um sonho realizado de me unir a mulheres cheias de zelo e participar da missão geradora de vida de Cristo, através do espírito
concedido ao Pe. Gailhac. Recentemente, comecei os meus estudos em Comunicação e Media, que são vitais para a nossa missão de dar vida, especialmente nesta era digital. Uma questão social atual que está a desafiar-me é o aumento de problemas de saúde mental e abusos nos lares por causa do coronavírus. A maioria das pessoas, principalmente as mulheres, não conseguem ter uma vida social saudável devido ao confinamento. No meu tempo livre, gosto de fazer palavras cruzadas, quebra-cabeças, jogar no telemóvel, fazer crochet e ponto cruz. A minha esperança para o nosso Instituto é que haja mais membros para continuarmos a missão de conhecer e amar a Deus e torná-lo conhecido e amado, em espírito de fé e zelo.

 

 

Joanita José Vasco
Área de Moçambique
Primeira Profissão: 23 de Janeiro, 2016 no Brasil, Belo Horizonte

Para mim, ser RSCM  é estar aberta ao novo, saber viver e conviver com as realidades do nosso mundo atual, dar vida a todos sem distinção.

Eu trabalho com jovens, adolescente e crianças na Beira. Agora estou sendo enviada para uma nova missão em Manica. Sou enfermeira, trabalho nesta área como voluntária, e me sinto muito feliz em trabalhar com essa faixa etária. Gosto do meu trabalho no hospital, encontro confiança e abertura nos pacientes e colegas.

A questão atual que me interpela é o caso dos insurgentes em Cabo Delgado, no norte de Moçambique: crianças e mulheres fugindo, e outras sendo mortas é um desafio muito grande.

No meu tempo livre gosto de sair, ir à praia contemplar o mar. Os meus dons artísticos são bordar e fazer vasos.

A minha esperança ou sonho para o Instituto é que continuemos unidas, sem divisões de Áreas ou culturas.

Rhânella Altina de Oliveira
Área Brasil
Primeira Profissão: Janeiro de 2020, na cidade de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais

Para mim, ser religiosa significa esforçar-me para cultivar os sentimentos de Jesus, a fim de poder torná-lo conhecido e amado por todas as pessoas, através da minha própria maneira de ser.

Atualmente, trabalho no Centro Administrativo Educacional da Província (CAEP), que coordena a rede de colégios SCM no Brasil, e também no Projeto Vida Pe. Gailhac de BH. Esses ministérios, voltados para a educação, interpelam-me a ser zelosa no amor, no cuidado e no compromisso com a formação das pessoas que me são confiadas.

Neste momento, dentre outras questões, inquieta-me especialmente a situação política do Brasil, cuja crise é agravada pela pandemia e pela falta de um governo respeitoso e comprometido com a vida. Diante disso, porém, sinto-me consolada pela fé e impelida a assumir, com mais entusiasmo, a missão geradora de vida de Jesus, abraçada pelo Instituto.

Nas horas vagas, gosto bastante de ler e de praticar o ukulele, além de outras atividades. Minha maior esperança para nosso Instituto é que ele seja sempre um sinal profético de caridade e união, onde houver uma RSCM e que todas as pessoas que tenham contato conosco sintam-se incentivadas a comprometer-se com esses valores.

Precious Pyeela kaluba Mbulo
Área Zambeze
Primeira Profissão: 21 de Janeiro, 2017 no Brasil, Belo Horizonte

O meu nome é Precious Pyeela kaluba Mbulo. Eu pertenço à Área Zambeze. A minha Primeira Profissão foi no dia 21 de janeiro de 2017, no Brasil, em Belo Horizonte.

Para mim, ser RSCM é um grande dom que traz alegria, amor e paz à minha vida. Sou feliz por conhecer e amar a Deus e por torná-lo conhecido e amado para que todos tenham vida em plenitude. Como RSCM, participo plenamente na missão de Cristo. Atualmente estou na escola fazendo os meus estudos. Quando estou na minha comunidade, faço trabalho paroquial. Visito os doentes, trabalhando com os jovens e oferecendo dias de recoleção aos diversos grupos da paróquia. Quando estou na escola, ensino catecismo aos meus colegas que desejam receber os sacramentos.

A nossa missão é conhecer e amar a Deus e fazer com que Deus seja conhecido e amado e isto é mais significativo porque aproximo de Deus todas as pessoas que encontro, para que tenham vida e vida em plenitude.

A questão atual que mais me desafia é a questão política porque a economia do país realmente se deteriorou, o povo de Deus está sofrendo. A outra coisa é que não há justiça na forma como alguns assuntos são tratados.

Meu dom artístico é fazer crochê e cozinhar. Minha esperança para o Instituto é que continue crescendo em número de membros para continuarmos servindo a Deus onde quer que estejamos.

ZONTA 2021

Dezembro 2, 2021

Unidade de  França Irmãs Bernadette Mc Namara et Françoise Wyckaert ZONTA 2021 Na cidade de Béziers, a 26 de Novembro…

Veja Mais

Carta 2

Novembro 25, 2021

Somain, Junho 2021  Uma carta de agradecimento a Jean Gailhac – carta 2 Caro Padre Gailhac,        …

Veja Mais

5 Warren Avenue                                                                                                          Tarrytown, Nova Iorque                                                                                                           27 de Maio de 2021 Uma carta de agradecimento a Jean Gailhac…

Veja Mais