Carta 14

Posted Maio 25, 2022

Marchiennes, Fevereiro de 2022

Querido Padre Gailhac,

Nunca tinhamos pensado em escrever-vos,  pois estamos habituadas a ler-vos, a recordar os seus pensamentos e ser inspiradas pela sua fé ardente para viver como RSCM. Mas a oportunidade é-nos oferecida, por isso é com alegria que iremos conversar. No entanto, como este não é período normal, perguntamo-nos: Que assunto devemos discutir consigo? Acontecimentos do passado ou do presente das nossas vidas, seriam um bom começo. 

Desde já o imaginamos sentado à sua mesa, com a nossa carta nas suas mãos, a olhar para nós com bondade, atenção e afecto. 

Desde a nossa chegada ao Norte de França em 2019 e até ao primeiro confinamento devido à pandemia, temos acompanhado refugiados, principalmente de origem africana. Uma delas, mãe de 4 filhos pequenos, está agora na prisão, na Maison d’Arrêt de Valenciennes, na sequência de uma tragédia familiar. Esta tragédia tocou profundamente os nossos corações. Calculamos  a angústia desta mulher, encontrando-se no mundo impessoal da prisão, sem compreender nem falar francês, sem saber onde estavam os seus filhos. Voltámos à nossa experiência como capelães na Prisão de Mulheres em Rennes. Esta experiência marcou-nos profundamente. Não saímos incólumes desta “aventura” humana e espiritual. Muitas pessoas do “exterior” perguntaram-nos porque é que tínhamos ido a este lugar, segundo eles estas “pessoas” não valiam a pena. Respondemos que foi em nome de Jesus Cristo e do seu Evangelho e também que este apelo estava de acordo com a declaração de missão do vosso querido instituto. Também dissemos que o vos, Padre Gailhac, também visitava os prisioneiros e que esta parte do seu apostolado nos motivava. Podemos, facilmente vê-lo a acenar com a cabeça, sem dúvida que traz  muitas recordações comoventes!

Sabe, no início, não podíamos prever a extensão e as exigências que esta missão faria na nossa vida pessoal e comunitária. Mas sentimos que era rico e capaz de nos abalar e gostámos dessa ideia! Para nós, fez-se eco do que escreveu às suas queridas filhas: “A rocha sólida é Jesus Cristo, a sua graça, a sua doutrina, os seus exemplos”. A sua graça é o princípio e a fonte de todo o bem, com ela nada é impossível” (GS/1/IX/81/A)

Esta missão particular, vivida neste lugar em nome do Evangelho, produziu em nós frutos de ternura, paz e alegria. Trabalhou na nossa humanidade e na nossa fé , para uma maior simplicidade, verdade e humildade. Assumimo-lo com as riquezas e limitações, os pontos fortes e fracos que eram nossos. Aprendemos a deixar-nos guiar por um Outro e a trabalhar de uma forma semelhante a uma renda; ou seja, com a maior delicadeza e respeito possíveis, conscientes de que nas pessoas que conhecemos, o rosto e o coração de Deus foram revelados.

Todos estes anos (12 anos, mesmo 14 anos) no Centro Prisional, relêmo-los sob o olhar de Deus, seguindo um fio condutor e tendo como imagem, a do corpo. O corpo dado a ver e visto, é importante, especialmente na prisão: o corpo que fala ou o corpo silencioso, o corpo amoroso ou o corpo rebelde, o corpo unificado ou o corpo fragmentado, o corpo que exprime o que somos ou que esconde o que somos. O corpo que une e carrega as diferenças, o corpo para viver, para amar, para alegrar, o corpo para respeitar, o corpo vivo e salvo! Em sintese, o corpo social e eclesial que formamos, o Corpo de Cristo, como diz São Paulo!

Esta mesma imagem, Padre Gailhac que o senhor escolheu para expressar a unidade que as irmãs deviam viver.

Neste corpo aprisionado que é o mundo prisional, os rostos chamaram a nossa atenção: os rostos, os olhares e a palavra. Tudo está ligado.

Estes rostos são rostos bonitos, não envernizados, reais, que já não traem e que, para muitas mulheres, jovens e velhas, suportam as cicatrizes de uma vida estilhaçada. Aprendemos a perceber o cansaço, a tristeza e o desespero que se escondem atrás do rosto sorridente, porque os olhos não choram em plena luz do dia, mas numa cela afastada dos outros, da curiosidade, da violência, a fim de se preservarem e manterem a sua dignidade apesar de tudo!

Aprendemos a conhecer as pessoas primeiro, olhando para elas.

 Olhar para elas a fim de as conhecer e reconhecer cada uma delas, chamar-lhes pelo seu nome e fazê-las existir de uma forma que não seja através de um número de prisão que as lembre constantemente por aquilo que estão ali. Olhar para elas a fim de as amar a si próprias, cada uma em particular, sem se preocupar com o que fizeram, e ajudá-las a amar-se, a si próprias como são! 

Olhar para elas a fim de reconhecer e amar com elas aqueles que são diferentes, sozinhos, sofredores ou menos bem posicionados na vida, a fim de ajustar e clarificar a nossa visão. Muitas vezes, novas solidariedades surgiram ,através do olhar atento de uns aos outros: ajuda nos procedimentos, partilha de um bolo, uma presença amigável após uma má visita, uma flor colhida para iluminar a cela ou o coração.

Olhar para elas para descobrir com elas que são únicas aos olhos de Deus. E vimos, com os nossos próprios olhos, o nascimento da novidade nelas, o desejo de viver melhor, a felicidade de crescer na verdade, a sua vontade de tomar um bom caminho e de mudar as suas vidas e as suas relações. 

O olhar destas mulheres, todos os seus olhares que chamam, que dizem muito e revelam o seu ser interior, comoveram-nos e estão gravados em nós. Olhando-as, escutando-as através dos seus olhos (é possível!), dissemos a nós próprias que precisávamos de força e coragem para dizer “Estou bem” quando tudo é pesado para suportar! “Está tudo bem” quando a dor ou a falta dela, é sentida com mais força! “Vai correr tudo bem, irmã, vais ver” quando o seu horizonte se desvanecer.

“Olhem para cada ser vivo com os olhos de Deus”, estas são as vossas palavras que têm ressoado connosco! 

Neste corpo em detenção, vivemos com elas momentos de graça à volta da mesa com ou sem café! Momentos de partilha da palavra comum, do que há de novo hoje, do Café Discut e os momentos de partilha da Palavra de Deus, um lugar onde algo de novo aparece na vida e no coração! Ficámos frequentemente comovidas e agitadas pela intensidade de toda a partilha. Acreditamos que vivemos realmente momentos em que vivemos juntos a presença de Deus entre nós na vida quotidiana tecida com outros, a experiência de uma possível vida fraterna. Caminhos que estavam a emergir para o viver na nossa vocação de filhas de Deus. A capacidade das mulheres de ir ao essencial sempre nos desafiou, quando muitas vezes a tentação de se refugiarem em ideias era mais confortável! A nossa fé cresceu e enriqueceu entre as pessoas que enfrentavam a mesma luz e as palavras que saíam da nossa boca tornaram-se mais suaves, menos insultuosas e mais amorosas.

Neste corpo em detenção, as mãos revelam-se e trabalham maravilhas. Tornam-se especialistas em comunicação, em expressão artística, em engenhosidade. Quantas maravilhas são alcançadas com muito pouco! Quanta ingenuidade é utilizada para alegrar os dias cinzentos!

Um dia, uma mulher disse-me: “Irmã Myriam, quando se aperta a mão, é sólido e é a sério! Sempre fui fascinada pelas mãos, mas nunca tinha parado para pensar no que os outros poderiam pensar sobre o uso das minhas mãos! Desde então continuei a segurar as mãos das mulheres para comunicar ternura, para envolver os meus braços à volta dos seus ombros para as acalmar, para enxugar lágrimas de desespero, para escrever por elas, para usar as minhas mãos para melhor, para me juntar a elas em oração!

Fomos marcadas pelas palavras de uma mulher enquanto ela se preparava para receber o perdão. A nossa reflexão foi sobre as mãos curativas de Jesus e ela disse: “Vocês conhecem as minhas mãos, elas fizeram o pior e eu não podia olhar para elas ou cuidar delas, mas agora acredito que as posso converter!

Vimos as suas mãos tornarem-se novamente belas, abertas a dar e a aliviar, a acalmar e a amar. Mãos convertidas, em síntese; mãos salvas! E porque não as nossas para nos convertermos na banalidade da vida quotidiana?

Também vimos mãos a bater palmas para acompanhar e encorajar as mulheres que se iam embora, e mãos de pé e segurando-se umas às outras numa longa corrente para cantar o Pai Nosso. Esta longa cadeia que constrói a unidade do Corpo.

Neste corpo em detenção, vimos o coração das mulheres expandir-se e bater de novo quando pensavam que o amor estava morto para sempre, por causa de desilusões, por serem mal amadas ou por não serem ,de todo, amadas.

Os olhos dos seus corações foram abertos porque o tempo na prisão permite-lhes olhar para trás nas suas vidas e ver as andanças a que os excessos podem levar. O silêncio da cela e a solidão têm muitas vezes o efeito de rachar os limites!  Quantas vezes ouvimos dizer: “A prisão era necessária para mim, sou livre por dentro! Estou a aprender a amar-me, a amar e a perdoar! Olhar para estas mulheres com o coração permitiu-nos descobrir as riquezas nelas enterradas!

Recentemente, Marguerite-Marie e eu meditamos frequentemente num versículo da primeira epístola de São João: “Deus é amor”. Aquele que ama nasce de Deus; aquele que ama conhece Deus!

 Mais uma passagem que você Padre Gailhac gosta e que aprofundou para as suas filhas a fim de as orientar! Todas as mulheres que conheceu na prisão que guardam a pequena chama do amor nos seus corações e que a mantêm são nascidas de Deus, são filhas de Deus! 

Que boas notícias! Muitas vezes fomos confrontadas com o mal que estava a espremer as vidas destas mulheres e foi uma prova para nós, mas vimos com os nossos próprios olhos muitos sinais de ressurreição do coração e dissemos a nós próprias: Sim, é verdade, acreditamos que o coração de Deus bate na prisão!

Finalmente, conhecemos homens e mulheres de todas as camadas sociais na prisão, cristãos e não cristãos, que vieram para dar tempo, amizade, alegria e consideração às mulheres e vimos como isto era vital para elas. Continuando a carta de São João, lemos e recordamos: “Nunca ninguém viu Deus, mas se nos amamos, Deus vive em nós e o seu amor em nós é perfeito.

Juntos, capelães, mulheres, celebrantes e convidados, construímos o corpo libertado da Igreja atrás das grades e isto foi para nós uma verdadeira riqueza de vida e de fé. A imagem do corpo tem toda a sua relevância: cada um tem o seu lugar para o bem de todos! Que este corpo cresça cada vez mais, que ele tire a sua força do Espírito!

No final desta carta, Padre Gailhac, poderá estar a perguntar-se o que foi feito da mãe africana que mencionámos no início. O seu nome é Haoua e foi transferida para outra prisão no norte de França. Partir, partir de novo, fazer novas relações. Continuamos a apoiá-la e com ela iremos mais longe no caminho da reintegração. Os seus 4 filhos estão a sair-se bem, mas ela ainda não tem visitas deles.  Os dois mais velhos estão com o pai e a Irmã Marie-France e algumas pessoas da paróquia, revezam-se para os ajudar a aprender francês. 

Perdoe-nos Padre Gailhac por ter escrito tão longamente. Convosco agradecemos a Deus por todas estas riquezas da vida ao serviço dos mais pequenos. O vosso coração e o nosso ardem  com Jesus Cristo que passa enquanto nós O seguimos!

Vossas filhas

Irmãs Myriam e Marguerite

Carta 15

Junho 13, 2022

PROVINCIA DE TETE PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ-TETE FAMÍLIA ALARGADA CORAÇÃO DE MARIA Reverendo Padre João Gailhac Foi com grande alegria…

Veja Mais