Carta 4

Posted Dezembro 25, 2021

Dublin 25 de Dezembro de 2021

Meu caro Padre Gailhac,

 Já há muito tempo que tenho intenção de vos escrever. 

Há tanto para falar convosco. Há tanta coisa a acontecer no grande mundo, 

O Grande evento que tem mobilizado o mundo é a COP26. Os nossos líderes mundiais esperam reunir os seus esforços para impedir a destruição contínua do nosso planeta Terra, causada pelo chamado desenvolvimento desenfreado.  

Numa das suas cartas, escreveu, e passo a citar: “Cabe-nos a nós trabalhar com Jesus Cristo para transformar o mundo”.

Esta afirmação é tão verdadeira hoje como era ontem e continuará a sê-lo durante gerações vindouras.

“Cabe-nos a nós trabalhar…” Cada um de nós pode fazer a sua parte, cultivar a nossa parcela da terra do jardim. Literalmente! Tenho a sorte de ter um pequeno jardim com um relvado e algumas flores e arbustos. Este ano, plantei três árvores, duas estão a florescer, e uma simplesmente não conseguiu. 

Há muitas pequenas formas de contribuir para minimizar a poluição, caminhando, utilizando transportes públicos, fazendo adubo, e muito mais: “Cabe-nos trabalhar com Jesus-Cristo”.  

Esta é certamente a essência da nossa vocação. Cristo não tem mãos a não ser as nossas, não tem pés a não ser os nossos. Gosto muito dessa ideia: nós somos o corpo de Cristo. Esse pensamento ajuda-me a ser tão feliz a rezar pelas pessoas como eu sou quando estou a trabalhar com e para elas. Todas as noites, enquanto a COP26 se reúne, junto-me a um grupo virtual das 20h às 21h; rezamos juntos em silêncio, elevando os nossos líderes a um nível superior, onde o Espírito Santo os possa inspirar, encorajar e apoiar.   

“Cabe-nos a nós trabalhar com Jesus Cristo para transformar o mundo”. É um grande pedido. Mas não é impossível. O segredo de toda a transformação começa dentro de si mesmo, e isso é um esforço diário. Durante o último ano, tenho vivido sozinho num mundo pequeno com pouca interacção. No entanto, encontrei formas de transformar a minha perspectiva. As pessoas que encontro nas minhas caminhadas, os animais, as árvores, tudo se tornou uma parte real da minha vida. Não sinto que estou sozinha. Por vezes olho, vejo um sorriso, troco uma palavra ou duas, dou uma mãozinha. A transformação está a acontecer dentro de mim e fora de mim. 

É chegado o momento de terminar esta carta para vós, com a promessa de uma correspondência mais regular no futuro. Tenho lido muitas das vossas cartas que me inspiram e confortam.

Marie Dominique Treacy RSCM

Carta 14

Maio 25, 2022

Marchiennes, Fevereiro de 2022 Querido Padre Gailhac, Nunca tinhamos pensado em escrever-vos,  pois estamos habituadas a ler-vos, a recordar os…

Veja Mais